2020 – .0 (punto zero video installation)

Bucchi’s needle gently scratches the screen while his unmistakable mark, like a solfège, elaborates tangled figures that blend with one another, violating the gathering and proximity ban that the pandemic imposed on us. Just when it appears there is no room for anyone else, a new figure conquers its own space in a delicate an respectful balance of coexistence. Suddenly his Brueghelian vision starts to dissolve, the black mark begins to melt as if drenched by water. Yet going back to .0, rather that the darkness of an eclipse, owns the power of redemption.
 

 
L’ago di Bucchi graffia dolcemente il monitor e il suo inconfondibile segno, come un solfeggio, elabora figure intrecciate che si confondono tra loro, violando quel divieto di assembramento e vicinanza che la pandemia ci ha imposto. Quando sembra non vi sia più posto per nessuno, ecco che una nuova figura conquista il proprio spazio in un delicato e rispettoso equilibrio di convivenza. Improvvisamente la sua visione bruegheliana inizia a dissolversi, il segno nero a sciogliersi come bagnato dall’acqua. Il ritorno al .0 tuttavia più che il buio di un’eclissi, ha il potere di un riscatto.
 
A agulha de Bucchi arranha delicadamente o monitor e seu inconfundível sinal, como um solfejo, elabora figuras entrelaçadas que se confundem entre si, violando a proibição de aglomeração e proximidade que a pandemia nos impôs. Quando parece não haver mais lugar para ninguém, eis que uma nova figura conquista seu próprio espaço em um delicado e respeitoso equilíbrio de convivência. Improvisamente, sua visão brugueliana começa a se dissolver, o sinal negro a se desfazer como molhado pela água. O retorno ao .0, entretanto, mais que a escuridão de um eclipse, tem o poder de um resgate.
 
Teresa Emanuele.